Blog

3 dicas para identificar os stakeholders-chave do projeto

Identificar os stakeholders-chave do projeto é de extrema importância para agir pautado em boas práticas e ações que terão relevância significativa nos negócios das partes interessadas.

Nós falamos sobre os stakeholders de um projeto em vários artigos pelo blog, sempre deixando claro que eles são fundamentais para o seu bom funcionamento, sendo inseridos na realidade do projeto de forma proeminente.

Este artigo, por sua vez, procura entender o que realmente são os stakeholders, e trazer uma outra questão: como identificar os stakeholders-chave do projeto.

 

 

 

O que são stakeholders e stakeholders-chave do projeto

 

Não existe uma tradução perfeita para stakeholder, mas nós podemos defini-los como partes interessadas no projeto e que são afetadas por ele. Stake significa interesse e risco, como uma área cinzenta entre esses dois conceitos, e holder é aquele que segura e que possui.

Os stakeholders são as pessoas, organizações e empresas que vão ser impactados com o decorrer do projeto, seja ele qual for. Assim, se o seu projeto procura trazer novos aspectos operacionais para o setor de RH, nós podemos dizer que o gestor de pessoal da empresa é um stakeholder.

Os stakeholders-chave do projeto possuem uma definição similar, mas com uma diferença primordial: eles são impactados diretamente pelo projeto e também impactam o projeto da mesma maneira. No exemplo citado acima, o diretor de RH da empresa poderia ser considerado um stakeholder-chave do projeto.

Assim, a maior diferença entre os dois conceitos é que os stakeholders-chave do projeto precisam de mais informações sobre ele, e estão diretamente relacionado com o seu sucesso e o seu fracasso.

 

3 dicas para identificar os stakeholders-chave do projeto

 

O processo de identificação dos stakeholders-chave do projeto é fundamental para uma operação eficaz e de sucesso.

Os stakeholders podem ser vários, e podem ainda se apresentar de acordo com o segmento no qual o projeto está inserido e a área de atuação da empresa. Os stakeholders-chave do projeto, porém, não costumam ser muitos, e estão mais relacionados com o projeto especificamente.

Mas como encontrá-los? Como ter certeza de quem são os stakeholders-chave do projeto? Continue a leitura para descobrir!

 

1 – Brainstorming em conjunto

 

Reúna a sua equipe de gestão e operação e procurem definir, juntos, quais são as partes mais impactadas pelo projeto. Isso, é claro, irá depender da sua área de atuação e do seu segmento.

Em um primeiro momento, é necessário entender o que o projeto procura realizar e para quem: a resposta para essa segunda pergunta normalmente irá revelar quem são os seus stakeholders.

Para entender quem são os stakeholders-chave do projeto, é necessário ir além e aprofundar esse brainstorm, analisando condições específicas, riscos e quem depende mais do sucesso do projeto.

 

2 – Enumere a influência e crie rankings

Com esse brainstorm em conjunto bem realizado, você provavelmente irá conseguir uma boa lista de partes interessadas no andamento do projeto, com vários nomes com diferentes impactos no andamento no projeto e interesses diversos.

Para conseguir entender quem são os stakeholders-chave do projeto, você precisa criar um ranking com o nível de impacto de cada um desses stakeholders, levando em consideração o interesse no bem-estar do projeto, investimentos realizados, parcerias firmadas e, principalmente, o poder de cada um.

Quais são os stakeholders capazes de finalizar o projeto ou estendê-lo? Esses, que irão se encontrar no topo da sua lista, possuem alta probabilidade de serem os stakeholders-chave do projeto.

 

3 – Não ignore o espaço além das empresas

Muita gente, quando pensa em stakeholders, automaticamente os associa com a diretoria da empresa, gestores da área interessada e colaboradores-chave e com influência. Todas essas pessoas podem muito bem ser seus stakeholders e até stakeholders-chave do projeto, mas a identificação deve ir um pouco além do cenário organizacional, dependendo da sua área de atuação.

Se você trabalha com obras, por exemplo, e instaura um projeto de drenagem de algum terreno, o dono do terreno é um stakeholder, a firma contratada para a execução também, os vizinhos também podem ser, os órgãos municipais que regulam a construção, e por aí vai.

Pensar que os stakeholders são somente seus clientes e seus chefes é uma visão muito simples, que pode levar o projeto a ter problemas no futuro simplesmente por falta de comunicação e de apoio dos stakeholders-chave que não foram identificados a tempo.

 

Se você quiser saber mais sobre o mundo da gestão de projetos e entender a influência dos stakeholders, não deixe de acompanhar nosso blog.

Trazemos informações precisas como essas a todo o tempo, para ajudá-lo a tomar as decisões corretas no seu projeto.

Como fazer uma reunião de kickoff de projeto eficiente!

A reunião de kickoff de projeto é um momento crucial para o seu funcionamento e que tem impactos durante toda a extensão do projeto. Dependendo da impressão causada e da forma de difusão das informações, essa reunião poderá ser lembrada até mesmo no momento da sua conclusão.

 

Mas como uma reunião de kickoff de projeto, feita antes mesmo das atividades começarem, possui tanto poder? É simples: é ela que origina as expectativas do projeto e também pauta a forma de lidar com a sua equipe e como ela encara seu próprio trabalho.

Pensando por esse lado, você já deve ter percebido a importância da reunião de kickoff do projeto, não é? Quer saber o que é necessário para fazer uma reunião de kickoff de projeto eficiente? Este artigo tem as respostas. Continue a leitura para descobrir!

 

O que é a reunião de kickoff de projeto?

 

É comum pensar que a reunião de kickoff de projeto é um momento para a equipe se conhecer e também para que as partes interessadas na sua resolução conheçam a maneira de seu funcionamento. Isso é verdade, mas é uma forma simplificada de se pensar.

Na verdade, a reunião de kickoff de projeto é uma grande proporcionadora da transparência do projeto e irá direcionar as suas interações com a equipe e as partes interessadas presentes.

Muito mais do que um momento para fazer um social e também completamente diferente de um espaço para apresentar expectativas pautadas na pura e fria matemática, a reunião de kickoff de projeto é, na verdade, o momento para firmar o projeto como relevante, responsável e capaz de proporcionar um ambiente que preza pelo engajamento e ótima produtividade.

 

A primeira impressão é a que fica: a importância da reunião de kickoff de projeto

O que estamos querendo dizer é que, em muitos casos, a primeira impressão é a que fica. Se você explica para o seu cliente que suas metas são fixas e que nada no mundo irá fazer com que o seu projeto as atrase, ele irá acreditar e irá cobrar essa resolução durante todo o projeto.

O mesmo acontece com a sua equipe, mesmo de forma não intencional: se, desde a reunião de kickoff de projeto, há um ambiente colaborativo e baseado na interação, os resultados com engajamento e trabalho em equipe serão muito mais satisfatórios do que os obtidos quando a reunião é feita de forma individualista e impessoal.

Isso também vale para o estabelecimento da sua liderança, que dá sua primeira impressão na reunião de kickoff de projeto. Se você chega preparado, a equipe, clientes e stakeholders vão confiar muito mais nas suas habilidades, e o contrário, nessa caso, infelizmente, também é verdadeiro.

Mas o que fazer para ter uma reunião de kickoff matadora? No próximo tópico damos a dica. Continue lendo!

 

Como fazer uma reunião de kickoff de projeto eficiente

 

O segredo para uma reunião de kickoff de projeto eficiente e produtiva é entender que, na realidade, não existe segredo, mas sim uma boa dose de trabalho e ótimas habilidades de comunicação.
 

Planejamento

O planejamento diz respeito ao trabalho realizado antes da própria reunião de kickoff de projeto.

Nessa etapa, você precisa ter a declaração de escopo do projeto já elaborada, ter a lista de stakeholders em mãos e planejar-se pensando no público-alvo da sua reunião.

Também é uma ótima ideia ter um cronograma inicial já preparado para a reunião, ter as funções pré-definidas e saber bem quem são as pessoas que compõem a sua equipe e o seu currículo. Metas, KPIs e indicadores de sucesso também devem estar disponíveis e devem ser divulgados no ato convocatório da reunião.

 

Performance

Não é o desempenho no nível administrativo, estamos falando das suas habilidades de comunicação mesmo: é necessário dominar a atenção das pessoas que estão participando da reunião, de forma a estabelecer a sua liderança e o seu controle total sobre o projeto.

Cumprimente cada um que passa pela porta, se possível, converse com quem você conhece e, quando a reunião começar, apresente-se, apresente a equipe e tenha controle sobre a sala.

Deixe claro que você está apresentando o projeto e os seus objetivos, mas que há espaço para a flexibilidade. Esteja aberto para perguntas – que devem ser feitas depois da apresentação –, fale que as sugestões serão consideradas e, caso haja necessidade, informe que serão aplicadas e colocadas em prática.

O importante na performance é demonstrar que o projeto não é seu, é de todos, mas que você é o responsável por desbravar o caminho para o sucesso e que é plenamente capaz de realizar essa tarefa.

 

Instigue a interação

Muitas vezes, você irá querer ilustrar os seus pontos com dados e números, sendo que os participantes da reunião de kickoff de projeto só irão observá-los e concordar com eles. Isso acontece em várias reuniões, mas há uma forma um pouco mais interessante de realizar essa demonstração.

Faça com que os participantes interajam com você e com os outros. Peça para que eles ilustrem os problemas relacionados com a sua área de atuação, que serão os mesmos identificados por você, que fez o trabalho de pesquisa e entendeu que seu projeto é justificado.

Dessa forma, você não está se colocando como vendedor, mas sim como um facilitador de mudanças.
 

Estabeleça metas realistas e incentive a participação dos envolvidos

Mostre que as suas metas são fundamentadas na realidade, não em ideais impossíveis de serem alcançados. Lembra do que falamos sobre atrasos? O melhor nesse caso é mostrar que sua equipe é capacitada o suficiente para não atrasar, mas que, caso ocorram problemas, você está preparado e possui planos de resposta e gerenciamento de riscos para lidar com eles.

Deixe claro que o projeto é acessível a todos e que você está presente em canais de comunicação para auxiliar na resolução de qualquer dúvida ou contratempo. É só isso que você precisa para encantar clientes e colaboradores: não a garantia de sucesso, mas sua constante procura e a sua honestidade em reconhecer erros e corrigi-los.
 

Viu só como é importante realizar uma ótima reunião de kickoff de projeto? Esperamos que nossas dicas possam ajudá-lo nas próximas que você terá, e em caso de outras dúvidas, venha consultar nosso blog!

 

Planit apresenta 2 cases de sucesso em gestão de projetos

Introdução

 

O que são cases de sucesso? O que os faz tão diferentes dos outros? Quais são os processos envolvidos por trás da sua história de superação e bom trabalho?

Esses são os questionamentos que todo gestor de projetos se faz, e são um grande motivo de preocupação para os colaboradores, os stakeholders e as empresas como um todo.

Muitas vezes é difícil, para não dizer impossível, chegar em uma fórmula perfeita que garanta 100% de sucesso. O que realmente acontece em cases de sucesso é um planejamento estratégico abrangente, que leva em consideração a realidade da empresa, as necessidades dos seus projetos e os objetivos que eles se propõem a atingir.

Não existe fórmula mágica, existe muito trabalho, acompanhamento extenso e um planejamento exemplar. E é exatamente isso que vamos apresentar nas próximas páginas: a criação de dois cases de sucesso a partir dessa combinação de esforços, mostrando quais foram as atividades realizadas, qual seu impacto e como a Planit elaborou cada uma dessas etapas.

Agradecemos a sua disposição em ler este eBook, e garantimos que você conseguirá extrair ótimas informações durante a leitura.

Vamos começar?

 

1 – A gestão de projetos para a sua empresa

 

Um bom gerenciamento proporciona para a sua empresa a possibilidade de transformar os seus projetos em verdadeiros exemplos de eficiência, buscando sempre o equilíbrio entre o trabalho a ser realizado, o prazo estipulado, o orçamento e todas as particularidades que ele possa apresentar. 

Com o planejamento, execução e acompanhamento que a gestão de projetos oferece, você está sempre à frente das circunstâncias e consegue acompanhar todo o progresso feito de forma muito mais clara.

A Planit atua de acordo com os preceitos do PMI, Project Management Institute, autoridade máxima em gerenciamento de projetos, seguindo o seu arcabouço de conhecimentos publicado no PMBOK.

Confira alguns aspectos em que a gestão de projetos atua para transformar a sua empresa em um case de sucesso:

 

  • Comunicação: a gestão de projetos aplicada pela Planit realiza um trabalho de padronização dos esforços de comunicação na sua empresa, priorizando a simplicidade na obtenção de informações para os colaboradores e stakeholders;

 

  • Gerenciamento de tempo: a Planit entende que o gerenciamento de tempo é absolutamente necessário para atingir o sucesso. Com ele, é possível direcionar o trabalho para que o prazo seja cumprido, acompanhar a resolução de tarefas e saber se, no ritmo atual, as metas serão atingidas;

 

  • Gerenciamento de custos: a Planit dá grande valor ao controle do budget, acompanhando todos os gastos até o momento da consulta e possibilitando um planejamento prévio em casos em que o orçamento estipulado será ultrapassado.

 

  • Equipe: a Planit destaca a importância dos treinamentos de equipe, esforços de contratação e processos seletivos internos, e suas soluções dão uma nova face à maneira como se lida com o RH da empresa.

 

Dentre várias outras soluções.

Todos esses esforços e mais alguns você encontrará nas práticas realizadas nos cases de sucesso, para conhecê-las melhor e entender como os projetos se beneficiam delas, continue a leitura dos próximos capítulos!

 

 

2 – Conheça as empresas

 

Este eBook vai contar a história de duas empresas, as quais, por conta dos seus princípios de segurança da informação, não terão seus nomes reais divulgados. Essa precaução é importante para que as suas estratégias não sejam facilmente conhecidas pelos seus concorrentes, compromisso que nós, da Planit, estamos mais do que satisfeitos em reforçar.

No primeiro capítulo, você vai descobrir qual é a área de atuação dessas empresas, as suas necessidades e o que elas almejavam com a Planit.

 

 

2.1 – Em que setor atuam?

As duas empresas possuem tradição nos seus segmentos, sendo respeitadas como grandes produtoras. A primeira, que chamaremos de Empresa 1, atua na área de vendas de matéria-prima para a fabricação de cápsulas medicinais, enquanto a outra, Empresa 2, atua na fabricação de papel em larga escala.

A Empresa 1 possui uma área de abrangência bem grande, realizando conferências e participando de eventos tanto dentro quanto fora do Brasil. O seu produto tem grandes vantagens para a humanidade, pois ajuda a criar cápsulas de medicamentos e suplementos alimentares.

A Empresa 2 é uma das principais fornecedoras de papel para todo o mundo, sendo responsável pelo abastecimento de grandes distribuidoras, que, por sua vez, revendem os produtos para inúmeros negócios, desde escritórios até copiadoras e gráficas.

Ambas as empresas já possuem anos de tradição em realizar seus serviços com qualidade, abastecendo o mundo todo com suas soluções essenciais para o bem-estar e o progresso da humanidade.

 

2.2 – Do que necessitavam?

Inicialmente, a Empresa 1 tinha uma necessidade bem específica. Tinha criado um projeto para a implantação de um novo lago para a lavagem de produtos químicos, para garantir que, em caso de aumento de demanda, fosse possível ter a infraestrutura necessária para o despejo dos rejeitos e seu tratamento, conforme as regulamentações ambientais.

O que parecia simples para a Empresa 1 foi se tornando complicado. Eles perceberam que o projeto apresentava algumas falhas de planejamento, equipe e cronograma, o que poderia trazer grandes problemas na execução. Entenderam, então, que a melhor saída seria procurar o suporte especializado da Planit para realizar a gestão.

Já a Empresa 2, com mais tradição em produção e grande demanda, enfrentava uma problemática um pouco mais abrangente, isto é, que englobava toda a estrutura de gerenciamento da empresa: por ter vários projetos sendo executados ao mesmo tempo, eles precisavam de uma reestruturação para lidar com todos da melhor maneira possível.

Essa empresa não possuía cronogramas abrangentes e de fácil acesso aos interessados, não sabiam exatamente quantos colaboradores estavam alocados para cada projeto, quantos projetos cada gestor tinha em mãos nem um controle de custos integral, sendo acompanhado em tempo real.

Como você pode ver, as duas necessitavam do apoio que a Planit oferece, uma possibilidade maior de controle e eficiência, o que fez com que a parceria se solidificasse e os trabalhos começassem a ser planejados e executados.

 

 

3 – A gestão de projetos como solução dos problemas

 

Não ter total controle sobre os seus projetos é algo que, no cenário empresarial altamente competitivo em que vivemos hoje, não pode ser tido como normal, que é possível “deixar passar”. Os prejuízos podem ser grandes, e os transtornos que a falta de planejamento e acompanhamento proporcionam são ainda maiores.

Nas empresas analisadas, a Planit atuou em um processo que pode ser dividido em duas etapas, exemplificadas nos tópicos abaixo. Confira:

 

3.1 – Entendimento do problema

O primeiro passo a ser dado para estabelecer soluções adequadas e de acordo com a realidade das empresas é conhecer exatamente qual é o problema. Só assim é possível ter um panorama do que deve ser realizado e de como é possível adaptar todas as estratégias de gerenciamento de projetos estabelecidas pelo PMI.

Nós nos reunimos com os responsáveis pelos projetos, stakeholders e diretoria das empresas para saber quais eram as suas maiores necessidades e, a partir daí, conseguimos estabelecer pontos-chave de planejamento, execução e acompanhamento futuro das soluções.

Gerenciar um projeto pode ser, então, encarado como um projeto por si só. É preciso planejar tudo muito bem antes de executar, para que seja possível atingir os resultados necessários e até mesmo ir além das expectativas, o que, como você poderá acompanhar no eBook, foi o que realmente aconteceu:

 

3.2 – Instaurar soluções

 

Com tudo planejado, chega a hora da execução. A Planit apresenta a sua metodologia, coloca a empresa a par do que será feito e, caso haja alguma sugestão pontual dos stakeholders ou dos gestores de projetos, realiza a adequação e parte para a execução.

 

  • Empresa 1 – Um ano e meio de atuação

 

Primeiramente, levantamos todas as informações sobre a legislação ambiental e, a partir daí, elaboramos um plano de execução abrangente, com foco na qualidade do serviço, para que não houvesse rompimentos prejudiciais à empresa e ao meio ambiente.

Essa delimitação permite entender qual é a quantidade de trabalho que deve ser realizada, o que o PMI define como escopo. Quando é feito um bom trabalho no entendimento do escopo, existe a garantia de que somente a quantidade necessária de trabalho será realizada, melhorando a dinâmica do projeto e eliminando perdas de tempo com o retrabalho.

Também oferecemos um serviço personalizado de gerenciamento de tempo, que traçou metas de acordo com a necessidade da Empresa 1 de acelerar a construção para lidar com a demanda crescente de rejeitos químicos a serem tratados.

A Planit também trabalhou na renovação da comunicação, instaurando reports periódicos; reuniões de acompanhamento frequentes entre os stakeholders, a diretoria e a gestão do projeto; e formulários de controle para uma ampla gama de situações, como a liberação de obras, compra de materiais etc.

A Empresa 1 ficou absolutamente satisfeita com o resultado, e com a nossa ajuda, instaurou um PMO para cuidar dos seus outros projetos já existentes e os que viriam a seguir.

 

  • Empresa 2 – Um ano de atuação, ainda segue como cliente Planit

 

A Empresa 2 enfrentava um problema de descontrole, como mencionamos no capítulo anterior. Por ser muito grande e possuir dezenas de filiais ao redor do mundo, cada uma com seus projetos específicos, estava sendo muito complicado controlar seus custos, prazos e a quantidade de trabalho que cada gestor precisava realizar.

Isso resultou em um problema grave: não estava sendo possível entender a realidade dos seus projetos como um todo, o quanto gastavam e o volume de tempo e esforço.

A Planit reestruturou a dinâmica de projetos sem alterar o que já estava funcionando. Para realizar essa tarefa, foi utilizada a metodologia Front End Loading, ou simplesmente FEL. Segundo essa metodologia, todo projeto deve passar por três fases:

No FEL 1, é feita uma estimativa de custos e de viabilidade técnica com uma margem de erro razoável, que então é transmitida para a diretoria e stakeholders. Após a aprovação do FEL 1, entra em prática o FEL 2, que é um estudo mais detalhado, apresentando riscos e diminuindo a margem de erro dos custos.

Após feitas todas essas averiguações, é hora do FEL 3, que já requer um planejamento pronto, com comparação dos preços de 3 fornecedores e cronograma de execução montado. Durante essas fases, os stakeholders podem abortar o projeto se o julgarem inviável ou seguir para a próxima fase, caso ele esteja em condições de ser executado.

A Planit ofereceu para a Empresa 2 (e ainda mantém operando) uma plataforma exclusiva na qual é possível acompanhar em tempo real o quanto já foi gasto (em comparação com o budget inicial), quantos projetos cada gestor acompanha, a quantidade de projetos por fases (planejamento, execução e conclusão), o prazo etc.

Com essas soluções, a Empresa 2 reestruturou toda a sua área de gerenciamento de projetos e conseguiu controlar seus gastos, suas metas e o seu pessoal de forma muito mais abrangente.

 

Viu só como realmente não existe uma fórmula mágica para uma gestão de projetos eficaz? O que existe é trabalho, uma metodologia eficiente e muita dedicação. Continue a leitura que ainda temos mais informações valiosas para transmitir.

 

 

4 – O PMI como guia para boas práticas em gestão de projetos

 

A gestão de projetos procura tirar da equação um grande problema enfrentado por várias empresas: a desorganização, causando a implosão de projetos promissores, o que gera grandes prejuízos, e o descontrole do tempo e das finanças.

Para atingir esse resultado, a Planit segue os princípios do PMI em todos os seus esforços de gerenciamento de projetos, levando em consideração suas dez áreas de atuação: integração, escopo, tempo, custo, qualidade, recursos humanos, comunicação, riscos, aquisições e stakeholders.

Com boas práticas aplicadas de acordo com essa metodologia, sua empresa se beneficia de um acompanhamento abrangente e dinâmico, e a falta de organização deixa de ser um problema.

A integração foi uma área amplamente utilizada nos esforços da Planit para ajudar a transformar o gerenciamento de projetos das Empresas 1 e 2 em verdadeiros cases de sucesso. Essa área de conhecimento incentiva a unificação de processos, algo que foi realizado por meio do direcionamento e centralização das informações pela Planit.

E essa centralização abre as portas para um acompanhamento muito mais eficaz do escopo, tempo, custo, comunicação e qualidade dos projetos: por meio de softwares e relatórios, é possível acompanhar em tempo real o andamento, se eles estão seguindo o orçamento previsto, se há processos que precisam melhorar e se há reclamações de clientes ou stakeholders.

Com a aplicação da metodologia FEL que exemplificamos anteriormente, todos os projetos só são autorizados com um estudo de caso muito bem feito, com as margens de erro levadas em consideração e um estudo técnico comprovando sua viabilidade. Assim, abortar o projeto no meio da execução se torna coisa do passado. Um bom planejamento de riscos, por via de regra, já deve ter sido feito para que o projeto inicie suas atividades.

Portanto, na hora de escolher uma empresa para realizar a sua gestão de projetos, procure quem leva em consideração os valores do PMI, implantando-os com soluções criativas e únicas para a sua empresa, como é o modus operandi da Planit.

 

5 – Conclusão

 

O que achou dos nossos cases de sucesso? Viu como o gerenciamento de projetos é importante para a realidade de uma empresa? Sem ele, é muito difícil controlar a expansão natural da sua empresa e aplicar esforços especializados na solução de um problema.

A Planit quer ser sua parceira nessa jornada. Nós acreditamos que o planejamento e a gestão são alavancas para melhores resultados, e nada nos deixa mais satisfeitos do que fazer parte de uma história de sucesso.

Entre em contato conosco para uma reunião e deixe-nos ajudá-lo na construção do seu próprio case de sucesso!

 

Agradecemos a sua leitura e esperamos que você tenha conseguido extrair muitas informações neste eBook. Para mais novidades e insights sobre a gestão de projetos, venha conhecer o nosso blog! Garantimos que ele vai ser um grande aliado na sua rotina lidando com os projetos da sua empresa.

Obrigado pela sua dedicação e por nos conceder um pouco do seu tempo. Até a próxima!

Estatísticas de gestão de projetos para ficar de olho!

 

Se você tem dúvidas quanto às práticas da gestão de projetos e sua adesão, nós estamos aqui para lhe mostrar com números, fatos e fontes que esse é o melhor caminho a se seguir.

A gestão de projetos vem crescendo exponencialmente no Brasil e no mundo, com mais e mais empresas entendendo as boas práticas apresentadas pelo PMI por meio do PMBOK. Além disso, seu programa de capacitação, o PMP, está sendo cada vez mais valorizado e dando resultados sólidos na realidade de muitas empresas.

Que tal conhecer algumas estatísticas incríveis de gestão de projetos? Neste infográfico, separamos as mais relevantes para você, mostrando estatísticas de adesão, de resultados e de aplicações das boas práticas que tanto discutimos no nosso blog.

Vem com a gente nessa jornada!

 

Adesão ao PMI

http://blog.pmtech.com.br/dados-estatisticos/

Segundo dados de 2017 do PMI, mundialmente existem cerca de 490 mil empresas filiadas ao instituto recebendo treinamento especializado em gestão de projetos segundo suas práticas, as mais reconhecidas no mundo todo. No Brasil, são cerca de 10.500 empresas.

Isso pode parecer pouco, mas o Brasil seguiu a média mundial de crescimento de filiações, apresentando um grande crescimento desde 2008, quando tínhamos 5.740 filiações. O número de 2016, como podemos ver, é quase o dobro, mostrando que as boas práticas na gestão de projetos vêm sendo motivo de grande consideração dos empreendedores brasileiros.

Definição de escopo

http://beware.com.br/academia/artigos/estatisticas-do-gerenciamento-de-escopo-tempo-e-custo-de-projetos-no-brasil/

Segundo pesquisa elaborada pela consultoria da Beware, a definição do escopo é uma grande preocupação dos gestores de projetos no Brasil. Cerca de 80% dos projetos possuem pelo menos uma declaração de escopo formalizada ao iniciar o projeto.

Além disso, quase 50% das empresas consultadas entregaram 100% dos seus produtos de acordo com o escopo estabelecido, ou seja, podemos dizer que em 50% dos projetos o objetivo foi estabelecido e mantido até a finalização dos trabalhos. Vale apontar que aproximadamente 30% entregaram de 90% a 99% dos produtos conforme a definição inicial, levando a cerca 80% a porcentagem de projetos que estabeleceram um plano de gerenciamento de escopo e o seguiram até o final, apresentando resultados ótimos ou bons.

Gerenciamento de tempo

http://beware.com.br/academia/artigos/estatisticas-do-gerenciamento-de-escopo-tempo-e-custo-de-projetos-no-brasil/

Segundo a mesma pesquisa realizada pela Beware, o gerenciamento de tempo também tem ampla utilização no Brasil, com cerca de 80% das empresas realizando um cronograma com durações para tarefas e 60% definindo o cronograma de acordo com a Estrutura Analítica do Projeto.

Outra estatística para ficar de olho é a das dependências entre atividades e tarefas, essencial para o entendimento do que deve ser feito primeiro no projeto e entender o tempo real de cada processo. Segundo a pesquisa, 77% dos projetos consultados estabeleceram as dependências.

Gerenciamento de custos

http://beware.com.br/academia/artigos/estatisticas-do-gerenciamento-de-escopo-tempo-e-custo-de-projetos-no-brasil/

O gerenciamento de custos também foi bastante utilizado nos projetos brasileiros, sendo que 80% das empresas da pesquisa elaboraram um orçamento para o projeto. Porém, apenas 37% elaboraram um fluxo de caixa e a mesma porcentagem calculou os custos internos para a elaboração do orçamento.

Isso mostra que os projetos brasileiros se preocupam com a gestão de custos, mas acabam deixando de fora informações cruciais para elaborar o orçamento, o que demonstra fragilidade no gerenciamento das finanças dos projetos.

Em linhas gerais

https://www.pmi.org/-/media/pmi/documents/public/pdf/learning/thought-leadership/pulse/pulse-of-the-profession-2017.pdf

Porém, com a grande disseminação das informações sobre a gestão de projetos, mais e mais cases de sucesso estão surgindo. Segundo o PMI, nas empresas que aplicam todas as suas recomendações ao redor do mundo, 88% dos projetos são concluídos a tempo, 90% dentro do orçamento e 92% alinhados ao seu objetivo inicial.

Isso se dá pela aplicação das boas práticas propostas. Essas empresas somam 7% do estudo, sendo que na parcela das que não seguem as recomendações do PMO, apenas 24% dos projetos são concluídos a tempo.

 

Ao redor do mundo

  • Dois terços dos projetos no mundo se comunicam com os seus colaboradores usando algum tipo de software.
    https://www.capterra.com/project-management-software/user-research/

  • 60% das empresas oferecem treinamento para a gestão de projetos, 50% têm um processo formal de transferência de conhecimentos e cerca de 40% oferecem um plano de carreira para gestores de projetos.

https://www.pmi.org/-/media/pmi/documents/public/pdf/learning/thought-leadership/pulse/pulse-of-the-profession-2017.pdf

  • 71% das empresas ao redor do mundo possuem um PMO.

https://www.pmi.org/-/media/pmi/documents/public/pdf/learning/thought-leadership/pulse/pulse-of-the-profession-2017.pdf 

  • 19% de todas as iniciativas estratégicas em projetos falha devido à falta de comunicação e 37%, devido à falta de estabelecimento de metas.

https://www.pmi.org/-/media/pmi/documents/public/pdf/learning/thought-leadership/pulse/pulse-of-the-profession-2017.pdf

 

Gostou dessas informações? Esperamos que sim, já que elas mostram que a área de gestão está passando por incríveis evoluções. Adaptar-se é preciso, e rápido!

Para mais dicas como essas, não deixe de visitar o nosso blog. Trazemos informações específicas sobre cada um dos pontos levantados pelas estatísticas presentes nesse infográfico. Venha aprender com a gente! 

 

Retrospectiva 2017: análise de desempenho dos projetos

Um novo ano está começando e, com ele, um ciclo se fecha e outro se abre na realidade da gestão de projetos.

Mesmo que o seu projeto ainda não esteja finalizado, ou seja, com seus objetivos iniciais cumpridos, o ciclo anual é uma milestone importante de se considerar. Para começar 2018 de forma mais assertiva, é essencial realizar a análise de desempenho dos projetos.

Você sabe como realizar essa avaliação? Quais informações considerar? Se não, este artigo foi feito para você. Continue a leitura para entender como elaborar o melhor relatório de desempenho anual para o seu projeto!

 

A importância da análise de desempenho dos projetos

 

A análise de desempenho dos projetos feita de forma anual é muito importante para identificar suas vitórias no decorrer do ano, assim como entender o que é possível melhorar para o próximo.

O seu projeto muito provavelmente possui suas próprias metas, e é muito comum que elas sigam um calendário bem definido, que encerram seu ciclo dentro do projeto quando o ano também se finda.

Dessa forma, mesmo que o seu ainda não tenha sido concluído, realizar a análise de desempenho dos projetos anualmente é crucial para entender como ele se comportou durante o ano. Essas informações vão mostrar:

 

  • Ganhos: o que o projeto representou em ganhos para a empresa, tanto em expertise quanto financeiramente, dependendo da sua área de atuação;

  • Conformidade: a análise de desempenho dos projetos torna possível entender se o projeto esteve de acordo com os valores da empresa e normas regulamentadoras;

  • Rendimento dos colaboradores e da gestão: quando você realiza a análise de desempenho dos projetos de forma anual, é possível entender o rendimento de todos os envolvidos nele, inclusive o da gestão. As metas foram concluídas no prazo? Quais foram as responsabilidades assumidas pelos colaboradores? Todos esses dados trazem interpretações valiosas.

  • Áreas a desenvolver: é possível entender o que é necessário desenvolver melhor para obter mais produtividade, lucro, motivação e satisfação. Pense em seus pontos fortes, aqueles que você já domina, e os fracos, que podem ser repensados.

 

Como realizar a análise de desempenho dos projetos?

 

Para fazer uma boa análise, você precisa entender a diferença das abordagens e as informações específicas que elas trarão na sua retrospectiva.

Cada uma dessas abordagens, que podem ser objetivas ou subjetivas, em um escopo que foca o projeto, os colaboradores ou a gestão, deve ser analisada em um primeiro momento de forma isolada, depois convergida para interpretações mais amplas.

Veja como fazer a análise de desempenho:

 

Análise objetiva

Na análise objetiva, você deve levar em conta os aspectos práticos do projeto, como as metas do ano, se os prazos imaginados no planejamento anual foram cumpridos e se o projeto ofereceu lucro para a empresa — tanto no nível financeiro como no operacional.

Com a junção dessas informações, é possível fazer uma análise de desempenho dos projetos focada nos números e indicadores, que são medidas exatas e objetivas e, a partir daí, entender se no aspecto prático o projeto pôde ser considerado viável durante o ano.

 

Análise subjetiva

Essa análise está mais centrada não somente na quantidade de trabalho realizado e nos números, mas no que foi feito para se atingir esses resultados.

A gestão de tempo foi bem realizada durante o ano? Colaboradores-chave sofreram com o overworking enquanto outros não foram delegados a funções fundamentais? Como o projeto lidou com os riscos durante o ano? Foram elaborados planos de resposta contundentes?

Todos esses dados são importantes para criar o panorama de sucesso dos projetos, não apenas objetivamente, mas sim de forma mais ampla, o que irá trazer um entendimento muito maior do seu rendimento real.

 

Análise dos colaboradores

Para entender a saúde de um projeto ao longo do ano, é fundamental que se entenda como os seus colaboradores trabalharam nele.

É necessário entender se eles se sentiram motivados durante o ano, se aprenderam novas skills, se procuraram se desenvolver e como foi a sua rotina de trabalho.

Com esse entendimento, é possível compreender como os seus colaboradores enxergam o projeto e como eles o transformam, o que é um passo decisivo para realmente entender como o trabalho se desenrolará no próximo ano.

 

Análise do gestor

Com a ajuda do seu PMO, é crucial que você entenda como foi a sua própria performance, quais foram os seus pontos fortes e fracos, para que você consiga melhorar no próximo ano e aplicar as habilidades de maior aproveitamento. Que tal pedir o feedback dos colegas, dos stakeholders, dos seus chefes e dos seus subordinados?

Quando você identifica acertos e erros na sua própria gestão com um olhar analítico, o seu trabalho provoca maior rendimento e motivação, o que impacta diretamente no sucesso do projeto durante o próximo ano.

 

Viu só como fazer a análise de desempenho dos projetos não é tão complicado assim? Para mais informações como essas, não deixe de acompanhar nosso blog!

Gerenciamento de conflitos de forma saudável

No ambiente corporativo, que é altamente competitivo e cheio de pressões, é difícil enumerar técnicas para coibir a existência de conflitos: eles são naturais e provavelmente vão ocorrer no seu projeto.

O melhor a fazer é usar sua posição como gestor de projetos para lidar com eles preservando a produtividade e o bom ambiente de trabalho. Esses esforços tem nome: estamos falando do gerenciamento de conflitos.

Quer saber como usar o gerenciamento de conflitos para comunicar-se com os colaboradores e ajudar na interação entre (e com) eles? Você veio ao lugar certo! Continue a leitura para saber mais:
 

Como os conflitos se apresentam?
 

O gerenciamento de conflitos, como o próprio nome já diz, busca a solução de problemas dentro do ambiente de trabalho, sejam eles de cunho prático, como discordâncias sobre metas e quantidade de trabalho por setor, ou emocional.

Seguindo uma abordagem interacionista, os conflitos são importantes para o debate de ideias e para chegar a um lugar comum após todas as opiniões serem ouvidas. Por ser algo natural e que muito provavelmente irá acontecer, essa ótica de resolução procura extrair o que há de melhor nos conflitos: o debate, o posicionamento e o diálogo.
 

O conflito relativo ao trabalho

Muitas vezes, há dissidência sobre a melhor forma de abordar clientes, prazos, uso do orçamento, dentre várias outras questões ligadas ao aspecto prático e operacional dos projetos.

Esse tipo de conflito gera grandes problemas se não for tratado, como a não conformidade de uma parte da equipe em relação ao plano geral da gestão de projetos. Em último caso, isso resulta em perda de produtividade, não garantia da qualidade e no prejuízo das relações com clientes e stakeholders.

Nesses casos, não resolver as situações com um bom gerenciamento de conflitos pode fazer a situação se desdobrar e se transformar em pessoal ou emocional.

 

O conflito emocional

O lado emocional do gerenciamento de conflitos diz respeito a problemas que os colaboradores enfrentam uns com os outros, como desentendimentos, competições excessivas e pequenas brigas.

Esse tipo de conflito, embora comum, pode ser prejudicial para a sua dinâmica de gestão de projetos, pois atrapalha na criação de um local de trabalho harmonioso, transparente e eficaz.

Quando dois ou mais colaboradores não se relacionam de maneira cordial, o gerenciamento de conflitos deve intervir para que a qualidade do trabalho e a produtividade não sejam impactadas e para manter o bem-estar dos funcionários.

 

Como se dá o gerenciamento de conflitos?
 

O gerenciamento de conflitos parte de uma iniciativa da gestão de projetos voltada para as pessoas, ou seja, que sempre procura ouvir e incentivar a discussão e o debate de ideias saudável e equilibrado entre seus colaboradores.

O PMBOK oferece seis soluções para o gerenciamento de conflitos na sua empresa, oferecendo uma dinâmica ampla de resolução. São elas:

 

  • Negociação: procura encontrar soluções que resolvam os problemas das duas partes envolvidas nos conflitos.

 

  • Imposição: consiste em sustentar uma posição em detrimento de outras.

 

  • Acomodação: tentar focar no que as duas partes em conflito têm em comum, não nas suas diferenças.

 

  • Retirada: não fazer nada, deixar que outras pessoas ou áreas resolvam o problema.

 

  • Colaboração: procurar atingir um consenso por meio de debates e discussões, além de aplicar soluções que beneficiam a todas as partes envolvidas no conflito.

 

Colaborar para resguardar a produtividade

A colaboração, como podemos ver, surge como uma alternativa extremamente eficaz no gerenciamento de conflitos, sendo a característica fundamental de uma liderança que se importa com a qualidade do serviço e sabe que onde existem muitos conflitos, a produtividade é prejudicada – bem como o ambiente de trabalho, as relações e o estado emocional dos envolvidos.

Isso porque a colaboração, dentro de uma estratégia de gerenciamento de conflitos, é um cenário ganha-ganha: as duas partes resolvem o seu problema e ainda crescem com isso.

Quando você procura entender as necessidades da sua equipe e trabalha para garantir que elas possam ser analisadas e entendidas, a produtividade não se abala, muito pelo contrário: é possível criar laços fortes e há um aumento de confiança na gestão de projetos.

 

Soluções para o gerenciamento de conflitos

 

Muitas vezes é complicado liberar espaço na sua agenda atarefada para elaborar estratégias e pensar nas melhores soluções.

Por isso, você pode designar um setor de RH e treiná-lo para realizar a mediação de conflitos no seu lugar, desde que você acompanhe os esforços e trabalhe junto com esse setor.

Para evitar que conflitos surjam, a transparência e a eficácia da comunicação são as melhores práticas a ser adotadas. Faça reuniões de acompanhamento e estimule a criação de um canal no qual os colaboradores possam falar sobre os problemas que encontram no dia a dia do trabalho e receber conselhos ou orientações.

Ser um gestor pode ser desafiador, não é mesmo? Que tal conferir o nosso infográfico e saber quais são as habilidades e competências de um gestor de projetos?

5 dicas para o novo gestor de projetos na empresa

Começar em um trabalho novo não é uma transição muito fácil em grande parte das vezes. Para o novo gestor de projetos, essa realidade pode ser ainda mais complicada por diversos fatores.

Você, como um novo gestor de projetos, pode enfrentar algumas resistências práticas ao iniciar os seus trabalhos, e saber lidar com elas é essencial para se ter um bom rendimento, integrar-se à equipe e ao ambiente de trabalho além de manter um nível alto de produtividade.

Neste artigo, vamos falar sobre a realidade do novo gestor de projetos, mostrar alguns cenários em que sua chegada na empresa pode ser turbulenta e dar dicas para tornar o novo trabalho mais fácil.

Vamos começar?

 

Situações difíceis para o novo gestor de projetos

 

Algumas situações podem deixar o novo gestor de projetos em uma posição em que ele precisa trabalhar bastante para entrar no ritmo da empresa/setor e oferecer os resultados que ele está acostumado a atingir.

Veja algumas dessas situações e as melhores formas de lidar com elas:

 

Falta de entrosamento

Às vezes, por ceticismo da equipe em relação ao trabalho do novo gestor de projetos ou por uma preferência a algum outro colaborador, o novato na operação acaba encontrando um problema de motivação por conta da falta de entrosamento.

A melhor maneira de lidar com essa situação é organizando um bom plano de comunicação, sendo transparente nos seus esforços ao mesmo tempo em que demonstra sua autoridade como novo gestor de projetos.

A comunicação é essencial nesses casos, pois transporta o novo gestor de projetos para a realidade dos colaboradores.

 

Projeto em andamento

Muitas vezes o novo gestor de projetos entra em um projeto já em andamento, com sua dinâmica estabelecida e com seus próprios modelos de trabalho e execução – que foram elaborados sem a participação do novato.

O melhor a se fazer nesses casos, que são realmente mais complicados, é observar atentamente e procurar identificar em quais pontos seu trabalho pode ser melhor aproveitado. Procure ficar atento a questões de budget, se os prazos são plausíveis, como está o relacionamento com os clientes e os stakeholders e como é a relação entre os membros da equipe. Também vale a pena perguntar e tirar dúvidas sempre que necessário.

Dessa forma, você consegue entender como o projeto está funcionando e consegue dar sua colaboração de forma embasada, sem soar como o outsider que veio para mudar tudo.

 

O que não fazer como um novo gestor de projetos

 

Cada projeto é único, e os esforços para que eles funcionem também são únicos. Mas, ainda assim, existem algumas recomendações universais que vão ajudá-lo muito se você é um novo gestor de projetos.

Confira os erros mais comuns identificados na atuação de novos gestores de projetos:

 

Prazos irreais

Muitas vezes, no esforço de “mostrar serviço” ou impressionar a clientela e os stakeholders, o novo gestor de projetos pode prometer a entrega de serviços ou produtos sem um embasamento compromissado com a realidade da sua operação.

Os prazos são uma das partes mais importantes do projeto e devem sempre ser respeitados. A equipe os utiliza para se guiar, sendo que quando eles são curtos demais há um excesso de trabalho, o que pode resultar em problemas com a qualidade e sua relação com os seus colaboradores.

 

Não mostrar liderança

Estar no controle do projeto é uma qualidade fundamental em todo o gestor. Deve haver camaradagem e um clima harmonioso no escritório, é verdade, mas a liderança deve sempre se sobressair no novo gestor de projetos.

É importante que o novo gestor de projetos entenda que, no âmbito profissional, ele é hierarquicamente superior aos outros colaboradores, alguém que precisa delegar funções com autoridade e manter a ordem, ao mesmo tempo em que fiscaliza o trabalho dos outros colaboradores e oferece feedbacks.

Portanto, dentro do projeto, você deve ser alguém aproximável e aberto para sugestões, desde que a hierarquia seja respeitada e que você consiga exercer sua liderança.

 

Problemas com a delegação de tarefas

A delegação de tarefas é parte essencial do trabalho do gestor de projetos, pois contribui para que todos trabalhem de forma otimizada.

Um novo gestor de projetos deve conhecer sua equipe a fundo para delegar tarefas de forma responsável e apropriada, e não deve nunca tomar para si funções que não competem ao seu cargo de gestor, algo muito comum em vários projetos.

Portanto, conheça os pontos fortes de cada colaborador e delegue tarefas a partir desse estudo, e esteja sempre aberto para sugestões de quem efetivamente realiza o trabalho.

 

Gostou deste post? Então que tal aprofundar sua leitura com o nosso artigo sobre como engajar sua equipe?

 

Todo gestor é um líder? Saiba como ser gestor e líder de sucesso!

Você sabe a diferença entre gestor e líder de sucesso? Os dois profissionais possuem sua importância na manutenção dos processos e projetos de uma empresa, mas existem algumas ações cruciais que podem transformar um profissional em gestor e líder de sucesso ao mesmo tempo.

Se você está se perguntando qual é a diferença entre os dois perfil, aqui você encontra as respostas: neste artigo, vamos elencar as principais diferenças e mostrar como você pode ser gestor e líder de sucesso ao mesmo tempo. 

Vamos começar?

 

Gestor e líder de sucesso: uma questão de perspectiva

A principal diferença que distingue um líder e gestor de sucesso está na perspectiva, na forma com que o profissional encara o seu trabalho e os seus impactos. O gestor está preocupado em realizar o seu trabalho e manter a ordem das coisas, suas responsabilidades e tarefas do dia a dia.

Já o líder está sempre em busca de formas de melhorar processos e operações, e inspira esse sentimento na sua equipe, buscando sempre fazer mais e melhor com menos esforço.

 

A autoridade não é dada, ela é conquistada

O trabalho do gestor muitas vezes se norteia pela autoridade que ele possui sobre os outros colaboradores, autoridade essa reconhecida pela diretoria da empresa e transmitida ao profissional.

O gestor e líder de sucesso, por sua vez, não está preocupado em conseguir autoridade: ela vem até ele pela conquista da confiança dos colaboradores. Enquanto as relações que estabelecem a autoridade de um gestor vêm “de cima para baixo”, o líder solidifica relações de confiança pelo caminho contrário, tocando primeiramente a sua equipe.

E como essa autoridade é conquistada e consolidada? O que realmente distingue um gestor e líder de sucesso? Continue a leitura para saber mais!

 

As maiores diferenças entre um gestor e um líder

O gestor, como dissemos, é aquele que exerce sua autoridade sobre os colaboradores, mas que, por essa qualidade ter sido “imposta”, pode ser questionada a qualquer momento. Na maioria das vezes, ela é.

O líder possui muito mais suporte da equipe, já que o posto foi conquistado de forma mais natural, ele transmite ideias de melhora e trabalha com esse objetivo sempre em mente, o que cativa os seus colegas e os faz trabalhar com o mesmo mindset.

O gestor e líder de sucesso guia os seus colaboradores e os orienta, sempre com transparência e carisma. O que realmente distingue o líder do gestor é que, sem a hierarquia, o líder ainda seria líder.

O gestor possui um pensamento mais direto, ou seja, dá as direções e espera que todos a sigam porque ele tem a habilidade de comandar. O líder delega funções de acordo com o objetivo que ele busca atingir, e em vez de mandar, simplesmente explica para a equipe que objetivo é esse e quais são os seus benefícios e vantagens. A maior marca do gestor e líder de sucesso é a democracia.

Podemos separar então os dois profissionais em duas categorias:

 

Gestor tradicional:

  • Autoridade dada, não conquistada;

  • Manda fazer;

  • Padronização e conservadorismo;

  • Retorno financeiro como norte e objetivo (inclui-se manter o emprego).

 

Gestor e líder de sucesso:

 

Como se tornar um gestor e líder de sucesso?

 

Ser um gestor e líder de sucesso é possível! Como dissemos anteriormente, a liderança não é necessariamente inata, ou seja, você pode aprender a ser um líder com dedicação, esforço e algo mais fácil ainda, que não requer nenhum trabalho: saber ouvir.

A maior característica do líder e a que lhe dá autoridade sobre os demais é a sua capacidade de ouvir e moldar suas ações de acordo com as necessidades de cada um. Quando o gestor muda seus objetivos e sua forma de interagir com sua equipe, a transformação começa, de fato, a acontecer.

Leituras sobre o tema também são bem recomendadas. A gestão de projetos é uma área complexa, assim como qualquer posição de liderança. Para ser um gestor e líder de sucesso, é necessário, antes de tudo, saber o que você está fazendo.

Quer uma forma de saber mais? Visite nosso blog e conheça nosso material exclusivo. Temos vários eBooks, infográficos e muito mais esperando por você. E se tiver alguma dúvida, entre em contato com a Planit!

 

Salvar

O impacto da gestão de projetos em agronegócios

Que o Brasil é extremamente competitivo no agronegócio não é nenhuma novidade. Mesmo em um cenário de recessão, a indústria agrícola ainda cresce, e nossos recursos naturais e extensão territorial, sem falar no clima, são fatores que propiciam um crescimento maior e ainda mais seguro.

Mas, como todo modelo de negócios bem-sucedido, sempre há a necessidade de organização. E para isso, nada melhor do que a gestão de projetos em agronegócios. É ela quem garante a maior produtividade, evita desperdícios e consegue uma maior otimização de tudo o que gira em torno da lavoura.

Com isso em mente, neste artigo, vamos falar dos benefícios que a gestão de projetos em agronegócios pode trazer para a seu cultivo. Podemos começar?

 

Gestão de projetos em agronegócios: organizar-se para sobreviver
 

O agronegócio continua em expansão mesmo em tempos de crise, mas será que esse crescimento segue um padrão de sucesso e excelência? Às vezes sim, mas com a gestão de projetos em agronegócios você consegue atingir uma produtividade maior e ter a qualidade assegurada.

A produção agrícola possui vários pontos sensíveis que se beneficiam muito com a gestão de projetos. Um bom planejamento é essencial para trabalhar de forma otimizada, com a certeza de que seu tempo está sendo bem empregado e que os seus esforços terão o maior retorno possível.

Essa é a missão da gestão de projetos em agronegócios: trazer uma grande capacidade de organização para a realidade complexa do trabalho na lavoura. Mas o agronegócio não é só a plantação: ele diz respeito à quantidade de sementes a ser comprada, ao gerenciamento dos insumos, à irrigação, à venda para o grande mercado, dentre outros.
 

 

Os benefícios da gestão de projetos em agronegócios

 

A gestão de projetos em agronegócios oferece a possibilidade de controlar todos os aspectos da sua lavoura, desde o momento anterior ao semeio até a colheita e a venda do último produto. Neste tópico, trataremos com detalhes de alguns dos mais importantes:

 

Controle de insumos agrícolas

Com a gestão de projetos em agronegócios, você utiliza estratégias eficientes para o controle dos insumos utilizados, que podem ser adubos, pesticidas, calcários e até máquinas pesadas, como colheitadeiras e tratores.

E esse controle é extremamente abrangente. É possível calcular com precisão o quanto será necessário comprar, o que está sendo utilizado e até quando as reservas vão durar se o consumo seguir em um determinado ritmo.

Também é possível saber exatamente o impacto financeiro que esses insumos trazem para a lavoura e compará-los com o seu faturamento final, para poder tomar decisões acerca da sua melhor utilização.

 

Irrigação

O controle da irrigação é muito necessário. Com ele, é possível saber a quantidade exata de água a ser utilizada para a sua lavoura por meio de cálculos absolutamente precisos, garantindo que você não use nem menos do que o recomendado nem mais do que o necessário.

A gestão de projetos em agronegócios permite um controle muito grande sobre a irrigação, sendo possível estabelecer horários de regagem, a quantidade de água usada e estabelecer sistemas de irrigação inteligentes, que levam em consideração os diferentes tipos de cultura na sua lavoura.

E por último, mas não menos importante, a gestão de projetos em agronegócios ainda ajuda a reduzir o impacto ambiental por meio da economia de água e do seu uso consciente.

 

Sazonalidade e rotação de culturas

Toda lavoura está à mercê da natureza, sendo que alguns tipos de vegetais, legumes e frutas só crescem em certos períodos do ano ou têm ritmos diferentes de crescimento em certas épocas.

A gestão de projetos em agronegócios permite ter estimativas precisas de quando a colheita será feita antes do semeio começar, o que gera maior segurança no investimento e possibilita um planejamento muito mais assertivo.

Além disso, um planejamento mais profundo também garante maior conhecimento do mercado, podendo ser possível entender quando é a melhor hora de se plantar cada coisa e como o seu agronegócio está se saindo em relação a outros.

 

Não devemos nos esquecer de que o agronegócio é um negócio como qualquer outro, com suas particularidades individuais e com cuidados específicos que precisam ser tomados em questão de organização e gerenciamento de projetos.

Por isso, a melhor saída para uma profissionalização eficaz é utilizar os benefícios da gestão de projetos em agronegócios. Sua lavoura agradece!

 

Precisa de um serviço de gestão de projetos para o seu agronegócio? Entre em contato com a Planit! Oferecemos diferentes soluções para o seu empreendimento.

Save

Terceirização: como se beneficiar do outsourcing?

Em uma realidade empresarial, mais clientes significa mais trabalho e, com isso, mais faturamento. O problema é que pode ser complicado balancear a vontade de atender mais pessoas com a possibilidade de realizar tudo a tempo e de forma satisfatória. A terceirização surge como a resposta mais eficaz para esses casos.

Neste artigo, vamos falar exatamente disso: como a terceirização pode ajudar a sua empresa a se organizar e a adquirir uma competitividade ainda maior do que a que já tem no mercado. Vamos com a gente?

 

Está na hora de recorrer à terceirização?

 

Uma das maiores dificuldades das empresas hoje em dia é lidar com uma grande quantidade de projetos quando a organização cresce.

Às vezes o crescimento é tão rápido que fica difícil se estruturar para ter a mesma produtividade e qualidade. Será que está na hora de recorrer à terceirização?

Alguns sinais de que o outsourcing é uma boa opção:

 

  • Equipe despreparada: o despreparo não é uma falha da equipe, mas sim algo que ocorre naturalmente, dependendo da velocidade da expansão da sua empresa. Pode ser difícil lidar com projetos que requerem conhecimentos que a sua equipe desconhece ou demandas nunca antes vivenciadas. Nesse caso, a terceirização é a melhor saída.

 

  • Necessidade de estabelecer um PMO: criar um PMO é um passo natural de empresas em expansão, que subitamente se veem tendo que cuidar de vários projetos e gestores. Um bom PMO, ou Escritório de projetos, pode garantir um futuro de sucesso para os seus projetos. Quando não se tem experiência no estabelecimento desse escritório, a terceirização é altamente recomendada.

 

  • Falta de pessoal: outro aspecto interessante da terceirização é a capacidade de alocar pessoas focadas na resolução de algum pormenor específico da sua empresa. Quando se falta pessoal para lidar com questões que necessitam de dedicação total, a terceirização traz enormes vantagens.

 

  • Reestruturação: quando uma empresa passa por uma mudança, os processos que ela vem realizando devem se adequar à nova realidade para que tudo siga um ritmo otimizado de produtividade. A terceirização de atividades organizacionais resolve esse problema com rapidez, transparência e praticidade.

 

Quais são as vantagens que a terceirização oferece?

 

Algumas das maiores vantagens da terceirização é a economia de tempo, otimização de recursos e expertise. Para lidar com algumas situações específicas na sua empresa que a sua equipe ainda desconhece, você precisa de um longo período de assimilação e outro maior ainda de implementação.

Isso pode ser facilmente resolvido se você investe na terceirização. Empresas que trabalham com o outsourcing de gestão de projetos sabem exatamente como gerenciar o tempo da melhor forma, atribuir recursos e focar em questões específicas. A contratada já tem experiência no ramo e sabe exatamente o que é preciso ser feito para se estabelecer uma rotina sem erros, retrabalho e problemas com a qualidade.
 

Ao contar com a expertise de uma empresa especializada para seus projetos, você garante um trabalho de qualidade e uma chance muito maior de encantar a sua clientela e trazer ainda mais pessoas interessadas nos seus produtos ou serviços.
 

Mas todas essas vantagens da terceirização só são possíveis de se atingir quando uma empresa idônea e experiente é acionada.

 

Como escolher uma terceirizada?

É normal que muitas empresas pensem duas vezes antes de fazer o investimento na terceirização. Para isso, é importante:

  • Analisar suas necessidades e seu orçamento;
  • Conversar com os gestores e estar aberto a opiniões diversas;
  • Fazer extensa pesquisa de mercado;
  • Saber mais sobre a empresa que fornecerá os serviços, sua reputação, seu portfólio e seus profissionais.

A maior dificuldade que você irá encontrar com a terceirização é a escolha de uma empresa alinhada com o seu negócio.

Procure uma terceirizada que tenha experiência na sua área e não hesite em procurar as empresas para as quais ela já prestou serviço. Isso é muito importante, pois é só dessa maneira que você conseguirá entender quais são seus pontos fortes e como provavelmente será a dinâmica do outsourcing.

A palavra-chave é pesquisa. Sua decisão será muito mais embasada dessa forma e você não correrá o risco de investir alto e ter baixo retorno.

 

Quer saber mais sobre a gestão de projetos? Temos um blog inteiro falando sobre isso. Venha conhecer o blog da Planit!

Save

Redes Sociais

Mantenha-se atualizado com nosso conteúdo através da sua rede social favorita.